Em sintonia com o futuro

Se perguntassem aos condutores quantas antenas pensam que um automóvel tem, muitos diriam uma, a do rádio. Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Há muito mais do que se pode imaginar, e afetam sistemas tão importantes como a segurança ou a conectividade. Embora passem completamente despercebidas, são essenciais nos automóveis de hoje e sê-lo-ão ainda mais nos automóveis de amanhã
Do automóvel para o mundo

"As antenas são o meio de comunicação entre os ocupantes do veículo e o mundo exterior", explica Mareike Gross, diretora de Sistemas Elétricos, Package e Cibernética da SEAT. São estruturas metálicas que transformam a energia elétrica em ondas eletromagnéticas, atuando como elementos de recetores como emissores. "O automóvel precisa de receber e transmitir constantemente informação pelo ar, e fá-lo graças a eles ", diz César de Marco, que chefia o departamento de Antena da SEAT.


Do automóvel para o mundo

"As antenas são o meio de comunicação entre os ocupantes do veículo e o mundo exterior", explica Mareike Gross, diretora de Sistemas Elétricos, Package e Cibernética da SEAT. São estruturas metálicas que transformam a energia elétrica em ondas eletromagnéticas, atuando como elementos de recetores como emissores. "O automóvel precisa de receber e transmitir constantemente informação pelo ar, e fá-lo graças a eles ", diz César de Marco, que chefia o departamento de Antena da SEAT.


A garantia invisível

Todos sabemos como é irritante ouvir a rádio com interferências e como é importante poder ouvir avisos de incidentes.  As antenas têm um impacto direto no conforto e na segurança. É por isso que a equipa SEAT, que as projeta e desenvolve, fez da sua missão assegurar sempre a melhor qualidade de comunicação. O desafio não é fácil, uma vez que o veículo está em movimento e muitas vezes passa por zonas com condições difíceis, tais como a baixa cobertura. "Para uma maior receção, por exemplo, trabalhamos com o sistema de diversidade, que consiste em várias antenas com a mesma função para selecionar a que oferece o melhor sinal", afirma César de Marco.
Onde menos se espera

O número de antenas depende de cada veículo, embora atualmente nenhum tenha menos de 10. O primeiro automóvel da SEAT, totalmente conectado, a quarta geração do Leon, tem 16. O tejadilho é o melhor local para as montar, porque está no topo do veículo, permitindo um maior alcance em todas as direções. É por isso que na antena de barbatanas de tubarão, que substitui eletronicamente as longas varas que lá estavam antigamente estão integradas até quatro funções: GPS, 4G, WiFi e controlo remoto do aquecimento. Mas isso não é suficiente. "O número de antenas que temos de colocar obriga-nos a procurar outros locais e qualquer elemento não metálico é uma possibilidade, desde a estrutura da linha da janela térmica traseira até ao para-choques e puxadores das portas", salienta César de Marco.


Notícia anterior
Próxima Notícia